3.2.09

DESOLADO

Do lado de lá
choro, guerra
fumaça, mormaço, pré-ocupações
medo
do outro


desconhecido

...
Se o perigo está do lado de fora
o que fazer se há
choro, perplexidade, arritmia
agressão
no lado que se espera segurança?

Desolado fica o coração percebendo que
o outro está aqui
do lado de cá, na intimidade, aconchegado
no dentro
que conhece minhas fragilidades e aterroriza
...
impedindo o sentimento de Paz.

12 comentários:

Eurico disse...

Só o amor, esse tão difícil amor fraterno, o amor pelo outro, nos livrará de todo medo. Quando vai chegar esse dia?

F. Júnior disse...

Lembrei de uma música... "a paz é inútil pra nós, fique em paz"

loba disse...

Sabe que ontem estive lendo uma tese de doutorado que tratava da paz interior. Na verdade, não me trouxe muits novidades, mas me fez pensar e re-olhar o meu entorno.
Talvez a paz, esta que tanto almejamos, esteja na mudança do olhar que lançamos dentro de nós. O outro, o de fora, é pra nós o que permitimos que seja. E como disse o poeta Eurico, só o amor é capaz de nos livrar do medo da não-paz.
Beijo, querida.

Francisco Sobreira disse...

Cara Jacinta,
Inspirado poema. Você faz uma analogia entre o coletivo e o individual, em ambos abordando a questão da paz. Muito bom. Um beijo.

lyani disse...

Tem selinhos pra vc no meu blog :D
Bjosss
Ly

Mai disse...

Oi, querida.

Deixa partilhar contigo que meus maiores avanços se deram em momentos em que 'guerreei' comigo, Jacinta.
Nessas horas, sabes quem me ajudava? Os amigos.

'amigo é solo quando falta chão'...
E o medo até que tem sua função que é nos manter vivos para vivermos o que precisamos sem 'escapismos'.

Coragem, amiga.
Somos sós mas não ESTAMOS sozinhos.
Conte sempre comigo. Ok?

Deixo um abraço muuuuuito carihoso.

Mai

Jorge Elias disse...

Olá Jacinta,

Os trilhos nos fazem pensar e nos soluçam advertências.
Uma bela estrada para o amor.

Fiquei de deixar aquí um poema sobre o tema dúvida, levantado por vc um dia desses.Sobre a necessidade de ter sempre um caminho ou resposta definida.

Ei-lo:


O LIMITE DA RAZÃO



Os búzios já não despejam ondas,
e eu me despeço.

De resto, somente uma ou outra suposição.

A questão passará a ser simples
quando dissermos: talvez...

Abraços,

Jorge ELias

Osvaldo disse...

Oi Jacinta;
Atravessar um campo de desolação é terminar o caminho e ganhar energias para voltar, se ombrear com os perigos, dizer basta, derrotar os medos, enfrentar o desconhecido e no final se sentir um vencedor...
Melhor morrer combatendo pelo bem, que morrer de medo...
bjs
Osvaldo

Sarah Vervloet. disse...

O que resta é a esperança de um dos lados, ao menos. Só precisamos conhecê-lo, não é assim? Entendi bem. E, então, procuremos o lado desconhecido da paz.

Abraço.

Opuntia disse...

Precisamos lutar pela paz, travando guerra conosco... paradoxal!

Bjos

Cris disse...

Oi, jacinta...

A guerra começa antes dentro do homem . As ações são passos seguintes.

Beijo, querida.

L.C. Logan disse...

e a solidao nao começa sempre assim