3.3.12




Mergulhar, aprofundando-se nas misteriosas águas do viver. Eis o desafio que ignora meu jeito de querer entender situações em que as explicações não dão conta de apaziguar o coração  imerso em  questionamentos. Por que, para quê, qual  o sentido que se pode encontrar numa proposta de escuridão em plena fase de descobertas? De repente, vejo incorporadas ao meu vocabulário, palavras desconhecidas e ameaçadoras: retinose pigmentar,   acuidade, ceratocone...

Pequenas palavras que chegam inesperadamente como enxurradas que destroem as estruturas construídas ao longo do tempo. E, tempo é o que eu preciso agora, dizem. Tempo de fazer assentar ; Tempo de aceitar essa nova realidade familiar; Tempo  de experimentar a estranheza desse mundo desconhecido... Tempo. 

Por hora, o que sei é que meu olhar não percebe e ainda não alcança o mistério. Tateio, à procura de respostas.

4 comentários:

Eurico disse...

Força, amiga.
E um abraçamigo e afetuoso.

Elcio Tuiribepi disse...

Oi jacinta...

é preciso ter força não é...mais que força um olhar diferenciado, capaz de alcançar a dor de cada um neste momento, dar o tempo necessário para que o sofrimento inicial se torne numa arma para o resto da vida
Que vocês possam faze-los "enxergar" a luz necessária para que busquem coragem, para que não se deixem abater apesar das dificuldades que virão...
Um abraço na alma amiga...muita força, coragm e sorriso valente no coração...
Beijo

Elcio Tuiribepi disse...

Oi jacinta...

é preciso ter força não é...mais que força um olhar diferenciado, capaz de alcançar a dor de cada um neste momento, dar o tempo necessário para que o sofrimento inicial se torne numa arma para o resto da vida
Que vocês possam faze-los "enxergar" a luz necessária para que busquem coragem, para que não se deixem abater apesar das dificuldades que virão...
Um abraço na alma amiga...muita força, coragm e sorriso valente no coração...
Beijo

Francisco Sobreira disse...

Mas, minha Amiga, a vida constitui-se em um eterno aprendizado para as pessoas. E quanto aos mistérios do viver, eles são impenetráveis, e, no entanto, como se isso fosse um estímulo,seguimos na busca de desvendá-los. Luta inglória? Penso que não.
Que bom você ter reaparecido. Você não deve passar tanto tempo sem nos oferecer os seus textos que, além de bem escritos, nos permitem refletir sobre a alma e a vida. Um abraço e uma excelente semana.