1.7.09

Experimento a estranheza desse mundo desconhecido. Tateio pelo corredor à procura da porta que me dê acesso à cozinha. Nela, encontro os cheiros de mãe misturados ao tempero do feijão preto recém cozido. De perto, enxergo a ausência das cores. Já não há mais o verde, que se confundia no seu olhar azul, nem o tom cinza impregnado na percepção dos dias encraterados na minha solidão. Escuto no vermelho sangue, o pulsar de minhas inquietações. Que mundo é esse que se apresenta como possibilidade em pleno momento de descobertas?

...

Redescobrir o cheiro, a textura, os sons... o gosto de Vida.

Esse é o milagre?

8 comentários:

Eurico disse...

Sim, esse é o milagre. Esses dias fui ao blogue da Mirian Mondom e encontrei algo sobre isso. Precisamos cuidar mas minudencias, das pequeninas coisas do cotidiano e dar a elas uma nova importância no âmbito de nossa vida.

Esse é o milagre. O milagre dos pães e dos peixinhos, o milagre do vinho. Acho esse muito mais bonitos e exemplares do que o grandioso milagre do Mar Vermelho. A trivialidade nas mãos do Rabi me são mais preciosas do que o majestoso e solene levantar do cajado mosaico.

Abraçamigo e fraterno.

Rosangela Neri disse...

Oi... passei para bisbilhotar e para dizer a verdade... adorei seu blog!
Posso voltar?
Beijocas... voltarei.

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Minha querida amiga
Quanto tempo!
Tempo demais... ainda ando lenta...
Mas que lindo está seu blog. De bordado novo, cores vibrantes de quadros que nem sabia que pintavas, de palavras novas e sabedoria antiga.
Sigo em frente, também tateando à procura de alguma porta que me leve a algum lugar onde a dor não seja moradora constante...
Mas um dia chegará...
Perdoa-me a ausência, é que, como disse, ando lenta demais...
Um grande e saudoso beijo

Mai disse...

É o mundo com cheiro de suor, feijão, terra, vida chão e solidão com ou sem mães que cozinham, com ou sem os amores, com ou sem a solidão dos homens.

Eu estou gostando muita coisa da arte que estás compondo com as cores e palavras nesses textos repletos de texturas, aromas, imagens e sons.

Beijos, Jacinta.

Fica bem.

paula barros disse...

Redescobrir-se traz muitos sons, um novo olhar, os sentidos ficam aguçados, e a vida fica mais plena, mais bela, mais maravilhosa...e os problemas ficam pequenos...que assim seja.

beijos

Jens disse...

Reinventar-se, redescobrir-se, perceber o novo no velho, vislumbrar o futuro no presente - por certo este é o segredo, Jacinta.

Beijo, amiga.

Euza disse...

Viver é o milagre, minha querida. E viver é dar importância às coisas miudas, aos cheiros e cores, às pessoas que realmente importam, né?
Saudades, viu? Muitas!!!
Beijocas

guru martins disse...

...pensa nisso
agora não.
Deguste o
feijãozinho
da mamãe que
naturalmente
toda ânsia se
descortina...

bj