5.2.10

QUANDO ESCAPA A ALMA
Imagem: fotoblog uol

Mergulhando, no mais fundo de si, ele percebe o olhar vazio de sua essência. Escuras águas sugam-no em dores corrosivas percorrendo-lhe as entranhas, cobrindo-o, escondendo-o e roubando-lhe a alma. Distante, ele vagueia , encharcando-se em temperatura absurdamente quente. Os sentimentos se cozinham na inércia do que sobra em ansiedade; travestidas borboletas espremem-se em voos rasantes da palavra presa às úlceras do sentir-se à parte do mundo. A alma lhe escapa em eructação nas sobras de ácidos, medos, regurgitações... grito abafado.


JacintaDantas

24 comentários:

Mai disse...

Apesar da belíssima foto (e talvez influenciada pela minha lida), o teu impecável texto, pareceu-me a descrição do escapismo por suicídio. A fé na vida possibilita os mais belos voos e sem escapismos, a alma transmuta vazios em poesia. Beijos, querida

Dauri Batisti disse...

Sentir-se a parte do mundo... de um modo ou de outro, num tempo ou no outro vivemos esta experiência. As palaras presas quando assim reconhecidas farão voar as borboletas por campos bonitos, mais cedo ou mais tarde. Como o próprio título diz a alma escapa. Ela não será sempre refém, não. Mesmo assim bem subjetivo, quase fechado aos entendimentos o texto prima pela beleza.

Um beijo.

Eurico disse...

A beleza, Dauri, isso, a beleza sempre está aqui. Refloresço.

paula barros disse...

Esses mergulhos, promovem encontros...e podem favorecer belos voos....de corpo, de alma.

beijo

carlinha disse...

'Borbo-letras em voos rasantes da palavra'... Dessa forma, solte o grito abafado e grafe a alma na liberdade. Escrever é libertar-se.

Lindo texto!


Bjos

Osvaldo disse...

Jacinta;

Quando escapa a Alma, o corpo deixa de sonhar e os sonhos comandam a vida...

Que os sonhos continuem para alegegria dos poetas porque a vida é o tempo de uma bela poesia.

bjs, Jacinta.
Osvaldo

Francisco Sobreira disse...

Bem bolada, Jacinta, essa relação que você estabelece entre alma e corpo. O mergulho no mais profundo da alma resulta na reação do organismo, manifestada em arrotos, etc. Por outro lado, esse mergulhar tem também uma relação com a ave (mostrada na foto) que se atira em águas profundas e poluídas. Um abraço.

Mai disse...

Depois, é porque a alma quer fugir que fazemos poesia e olhamos os girassóis. Outro carinho

Mary disse...

Eu resumo o teu LINDO texto em minhas palavras:


Dor da solidão.


Amo esses textos densos.


Beijos meus.

Francisco Dantas disse...

"A vida é o tempo de uma bela poesia", disse algué, aí, em um dos comentários. Como a bela poesia não morre, o poeta supera a efemeridade da vida, do momento presente. Um beijo, querida prima.

Jens disse...

Angustiante, sufocante...
Beijo, Jacinta.

Pipilo Cazuzete disse...

Ei querida amiga poeta, estou passando aqui para desfrutar o seu florecer, que a cada dia encanta mais. Quero me desculpar pelo sumiço e convidá-la para o lançamento do meu livro que acontecerá dia 19 de fevereiro, sexta – feira, na logos livraria do shopping jardins, a partir das 19:30hs. Conto com sua presença para abrilhantar a minha noite. Obrigado pelo carinho que sempre deixa impresso em seus lindos poemas e na sensibilidade de seus comentários. Se quiser mais detalhes entre no meu blog. Divulgue para seus amigos. Beijo enorme.

Ana Lúcia. disse...

JáJá...
quando o tempo pede tempo
a alma pede calma
os pensamentos vagam
a razão adormece
a emoção enaltece
a vida senta numa pedra
e pede por uma espera
sem demora
sem ficção.
Todo coração
é texto
é poesia
é espaço
é início
é meio devaneio!!
Beijãozinho, carinho, VIDA VIVA!

Lídia Borges disse...

Um texto intenso, numa metáfora muito bem construída.

L.B.

Francisco Sobreira disse...

Passo mais uma vez por aqui e, não encontrando texto novo, aproveito para lhe desejar um excelente fim de semana. Um abraço, Jacinta.

guru martins disse...

...auto-
introspecção...

bj

Elcio Tuiribepi disse...

´Se escreveste palavras tão significativas porque parastes...
mergulhei no abismo das palavras...tudo em silencio, apenas agora o barulho do teclado ditando o ritmo enquanto releio...
muito lindo o texto...quem Lê se identifica com certeza com algumas partes...
Um barço na alma...bjo

Lunna disse...

Olá carissima, passando por aqui para visitar a sua paisagem e me perder através de seus dizeres. Aproveito para apaziguar a saudade. Eu fujo, me perco, me ausento, mas em algum momento volto.
Bjs

david santos disse...

Belíssimos: imagem e texto. Parabéns.

Mai disse...

E volto, outra vez, porque sinto tua falta - quando tua alma e teus olhos me escapam...
Saudades, Jacinta.

Fica bem

Claudinha ੴ disse...

Foto e alma casando-se. A liberdade captada de maneira diversa! Muito lindo! Beijos!

Cris disse...

Oi, Jacinta,

De volta para o aconchego virtual, ao contato com as palavras da alma para fortalecer o espírito.Aquí a fonte é inesgotável.

Beijão.

Mai disse...

Um dia é pouco, mas hoje precisava vir e te deixar um abraço.
Fica bem minha amiga.
Belos olhos, bela voz, bela vista.

carinho muito,

Beti Timm disse...

A alma restrita a morte como um vínculo forte e eterno!!

Belo e intenso!


Beijos e saudades