21.3.08

OUTONO
Foto: Beto Martins

E hoje estou assim, sem nada prá dizer
Escuto o silêncio
Olho o caminho

RESPIRO...RESPIRO...RESPIRO

Sinto
nos ares de outono
o tempo que em mim habita:
um tempo de transição.

34 comentários:

Francisco Sobreira disse...

É, Jacinta, quando não se tem nada para dizer, o certo é ficar calada, ouvindo o que se passa ao redor e olhar a paisagem , as pessoas. Não existe melhor remédio para a mudez. Um grande abraço e um excelente fim de semana.

Marcelo Martins disse...

Tempo de se ouvir...
Tenho muitos desses tempos, é quando consigo ouvir os sussuros que vem da minha alma.
Ela tem sempre palavras sábias para me dizer...

Beijinhos.

Madalena Barranco disse...

Querida Jacinta, em poucos versos você "respirou" poesia neste precioso e mágico tempo de outono. Beijos e feliz Páscoa com chocolates deliciosos para você!

luma disse...

Culpa do outono que nos faz contemplativos!! Feliz páscoa!!

APPedrosa disse...

É bom parar de vez em quando para ouvir o coração. beijo, Ana Paula

Paulo R Diesel disse...

As folhas secas também caem dentro de nós e nós nos preparamos para um inverno intenso.

poetriz disse...

Pra mim outono é desprendimento.
É largar as folhas de lado.
Deixar o seco e sem vida pra trás.
E encontrar o inverno de braços abertos e alma nua.

Bjs!

Elcio Tuiribepi disse...

Outono...ser folha, e depois pousar num rio, e seguir sem pressa ao encontro do mar, esse é um pedaço de um poema meu...mas escutar o silêncio as vezes é muito bom...feliz páscoa...um abraço...

John Doe disse...

Acho que todos nós quase sempre nos sentimos assim, ou ao menos de tempos em tempos pros mais constantes...

Mésmero disse...

Gente nova nesse mundinho!!


Prazer!

Alice disse...

E a Páscoa passou e venho desejar coisas boas p'ra vc. Bons textos, inspiração e transições que sempre façam vc crescer mais e mais.

Bjs,
Letícia

Luci disse...

Nada como ouvir o silêncio. Nos diz mais, muito mais do que queremos ouvir!
Transição dói, mas é necessária. Sem mudanças, morremos em nós mesmos...

Ah, Jacinta, feliz Páscoa atrasado, mas de coração!

Bjo,

Luci:)))

Fernando Rozano disse...

é quando não se tem nada para dizer é que se diz tudo...e o outono, com suas cores e formas, é a vida em permanente transformação. gostei muito, Jacinta. abraços.

renata disse...

Oi jacinta, que belo poema, traduz um sentimento de leveza e despojamento,assim como a flor que o ulustra.
Como disse Davi (se não me engano) nem o Rei Salomão na sua glória se vestiu como um lírio do campo.
E salve (literalemnte) a natureza!!!
beijos
renata

Carmim disse...

Sabermos ouvir a nossa voz interior é fundamental, embora ela nem sempre nos diga o que queremos escutar, ou os seus sons sejam perceptíveis aos nossos ouvidos muitas vezes limitados.
Por vezes, precisamos ouvir com o coração, é ele que põe fim a muitos silêncios, e torna outros mais agradáveis.

Um beijo.

Friendlyone disse...

Exelentes estas tuas sentenças... E sentenciam tantas coisas, não?!

Beijos.

:-)))

Victor disse...

Querida Jacinta
O Outono de tons castanhos e doirados chegou pela tua terra que o mar azul à minha junta.
Daqui te envio uma flor primaveril!
Beijinhos.

Ilaine disse...

Jacinta!

Eu adoro o outono, principalmente aqui na Europa, é muito intenso.

Lindas palavras, as suas.

bj

Adriano Caroso disse...

Como toda transição, sempre esperamos que seja pra melhor! Beijos!

JOICE WORM disse...

Quando não temos nada para dizer, é a exacta hora que ouvimos o nosso coração falar... E não há momento mais precioso, Jacinta...
Um beijo grande para ti da Joice.

Lunna Montez'zinny disse...

Eu sempre digo que o silencio diz muito mais que as palavras e uma vez sendo outono, se diz ainda mais.
Abraços meus cara mia

nuvem disse...

Há momentos em que o silêncio nos diz tudo o que precisamos ouvir...

Beijinhos

Lyani disse...

Amo o outono!
E gostei muito do poema!

Bjos e obrigada pelas visitas constantes!

Zeca disse...

Jacinta,

a chegada do outono com o tempo de páscoa, mostrada neste lindo poema, é o tempo de transição que antecede a própria ressurreição.

Beijos.

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Querida Jacinta
Desculpe a aus�ncia, a falta de palavras... � porque tamb�m estou em transi�o.
Espero que saiamos fortalecidas desta fase.
Li seu blog, lindas palavras, mas ainda me faltava �nimo para escrever. Acho que est� voltando.
Obrigada por tudo.
Um grande beijo

Vieira Calado disse...

Há sempre algo para dizer.
Como se prova.
Um abraço

Alex Sens disse...

Todo outono é assim, também fico perdido, sem estática, mas é tão bom. O melhor, depois do inverno, nossa mudez fria, porém boa.

Beijos!

Mary disse...

Eu sou sempre outonal... várias transições. Deve ser poruqe nasci no último dia de outono... transição!
Bjinhos.

Germano V. Xavier disse...

Outonar
folhar
folhear
o outro
de nós
de mim
e ser
verão
sem não
então

Muito bom ser o tempo que nos habita, minha querida!

Sempre bom reflorescer!

Abraços meus...

Germano
Aparece...

Célia de Lima disse...

Como é bom permitir que esses tempos ajam em nós... sentir... deixar ser, confundir-se com a própria natureza! Que lindo! Sempre muito prazeroso vir te ler! Beijo grande!

Fê Probst disse...

Os ventos que sopram no outono tem cheirinho de pipoca, filme, edredom e namorado. Gostinho de chocolate quente e vontade de inverno, de verdade.

Lindo aqui!

Layla Lauar disse...

Gosto de silêncios...só não gosto daqueles que acompanham palavras (mal)ditas, esses machucam.

Beijos querida

Paulo Vilmar disse...

Jacinta!
Teu silêncio nos enche de paz!
O Outono têm esse poder de transformar em silêncio!
Beijos.

Héber Sales disse...

é sim, estamos de olhos bem abertos para as novidades deste outono, não é?
beijo grande.