20.4.08

Não se compreende música: ouve-se. Ouve-me, então, com o teu corpo inteiro. Quando vieres a me ler perguntarás por que não me restrinjo à pintura e às minhas exposições, já que escrevo tosco e sem ordem. É que agora sinto necessidade de palavras- e é novo para mim o que escrevo, porque minha verdadeira palavra foi até agora intocada. A palavra é a minha quarta dimensão.
Clarice Lispector

13 comentários:

Mary disse...

"Não se compreende música: ouve-se."
As palavras têm inúmeras interpretações.
Cada um sabe seu significado e o momento ajuda muito a entender o que as palavras realmente significam...
Por vezes se fazem necessárias, por vezes totalmente dispensáveis.
Um beijinho e ótimo resto de feriado, Jacinta!
;)

Layla Lauar disse...

assim como a música, a poesia também é para ser sentida, apenas... não para ser explicada. sempre falei isso.

Além da psicologia, pelo visto, temos mais em comum, a admiração pela Clarice Lispector.

Beijos Jacinta, acho uma delícia vir ao seu blog.

Lunna Montez'zinny disse...

A palavra que nos chega pelos mais diversos meios e que nem sempre se compreende. O que será preciso para que haja a compreensão da palavra? O silencio talvez.
Minha cara, desejo-te uma bela semana risonha, cheia de alegrias e contemplações. Abraços meus...

Francisco Sobreira disse...

Muito bom, Jacinta, esse trechinho de Clarice. Embora a literatura de Lygia tenha mais afinidade com o meu gosto, admiro Clarice, inclusive a cronista. Um abraço afetuoso.

Célia de Lima disse...

Na sua palavra ou na de quem te traduz, sempre uma pérola. Que coisa maravilhosa! "Ouve-me, então, com o teu corpo inteiro." Beijos, Jacinta, um ótimo dia!

Lyra disse...

Hoje não me apetece comentar..., apetece-me apenas deliciar-me e guardar só para mim todas as emoções que saltam destas palavras.

Beijinhos e até breve.

Egoísticamente (risos), Lyra

;O)

Gi disse...

ainda não cheguei a essa dimensão
mas deixo-me levar pelos que já chegaram antes de mim. Adoro ler e gosto muito da Clarice Lispector.

Um beijo

Marcelo Martins disse...

A mestra Clarice sabe o que, e como fala.
A música serve para dizer o indizível e imcompreensível.
Não vivo sem música...

Beijinhos meus

Madalena Barranco disse...

Ai, que lindo, Jacinta! Clarice tinha razão em colocar a palavra em quarta dimensão. Beijos.

Ilaine disse...

Oi, amiga!

Obrigada por passar lá no baú e, como sempre, me deixar tão lindas palavras.

Palavras... é delas que agora necessito. Muito Clarice!

E o teu blog continua maravilhoso.

Bj

Alex Sens disse...

Tô com a Lispector! Sempre :)

Jacinta, recebi seu e-mail. Respondo ainda hoje. Beijos!

Poetisa da Alma disse...

Que bela escolha...as palavras dessa pessoa iluminada nos toca o coração.
Receba um abraço carinhoso de quem lhe admira!

Maria disse...

lindo texto da Clarice...não conhecia...