3.5.09

Agora, noutra dimensão, Ele segue, continua... reinventando-se


E nos relembra:

...Vendo o mundo além das aparências, vemos opressores e oprimidos em todas as sociedades, etnias, gêneros, classes e castas, vemos o mundo injusto e cruel. Temos a obrigação de inventar outro mundo porque sabemos que outro mundo é possível. Mas cabe a nós construí- lo
com nossas mãos entrando em cena, no palco e na vida.
Augusto Boal

7 comentários:

Miguel S. G. Chammas disse...

´´E isso aí Jacinta. Outros palcos, tenho certeza, irao receber a direção desse mestre.
novos spots estarão ligados para i9luminar a sua arte.

Miguel S. G. Chammas disse...

´´E isso aí Jacinta. Outros palcos, tenho certeza, irao receber a direção desse mestre.
novos spots estarão ligados para i9luminar a sua arte.

Jens disse...

Oi Jacinta.
Pois é, os bons estão nos deixando. Fica o legado humanitário. Que Boal descanse em paz.
Um beijo.

Luis Eustáquio Soares disse...

salve, jacinta, que também eu fiz uma homenagem a Augusto Boal, com um poema que acabo de escrever. Te felicito pela sensibilidade e inteligência poética, com outras éticas.
saudações,
luis de la mancha

Eurico disse...

Cá estamos todos, tribo saudosa, num rito de passagem. Que o Boal esteja bem nessa viagem. E nós nos esforcemos para realizar o outro mundo possível que nos indica Boal por sua arte.

Abraço fraterno, Jaci.

Paulo R. Diesel disse...

Bela homenagem.

Já estamos com saudades.

Beti Timm disse...

Um pedaço de nossa cultura, perdeu-se, mas ficam o legado, que ele deixou, para não nos esquecermos de que o que é bom dura pra sempre!

Beijinhos amiga!