11.12.09

EXAUSTÃO

Medo que chega, inoportunamente, penetrando pelas artérias e veias espalhadas pela solidão do espaço vazio. Medo que leva à busca insana do esconder-se de si. Medo-Medo-Medo. E com medo, melhor mesmo é recorrer ao companheiro inseparável, envolvendo-o na fábrica que produz, produz, produz... e seguir, na madrugada insone, com o mesmo visitante ocupando todos os espaços. E em espaços de sentimentos invadidos por insistentes pensamentos, solidão é o que resta em faces assustadas com o descarte – enxurrada de barro obstruindo a vida cansaço, prostração, exaustão. Mas, onde está a saída?

...

E o coração chora.

5 comentários:

tossan® disse...

Muito profundo! Sabe que você deu um chega pra lá no medo, procurou o amado e reagiu. Bom! Beijo

Miguel disse...

Nossa quwe medio eu tive de nõ saber como comentar.
Mas o medo se foi e o comentario é um só: aplausos........

Dauri Batisti disse...

Falar do medo,da salidão, da exaustão, assim, com todas as linhas e curvas, chorando o coração.... só pode ser coragem.

Um beijo.

um cavaleiro andante na terra do carvão disse...

.
.
parabéns pelas palavras...

fazia tempos que não vinha mai aqui... nossa tava revisando meus posts de 2008 e encontrei comentários teus neles.

vou linkar seu blog ao meu. assim fica mais fácil de lhe visitar sempre

grande abraço!!!!

Mai disse...

O medo é aterrador, o medo é uma onda gigante que gela o estômago e se acelera em nos engolir. Mas você o denunciou e venceu com coragem.

beijos, amiga.